Foco no Resultado, Mas Qual Resultado?

O mundo corporativo traz plena consciência da importância que todos os profissionais tenham foco no resultado. A reflexão que gostaria de fazer, hoje, é sobre qual resultado trabalhar com os colaboradores.

Um dos grandes desafios de todas as companhias após investirem no desenvolvimento do planejamento estratégico é comunicar e, principalmente, engajar os integrantes em prol do mesmo resultado.

Com o aprimoramento dos processos seletivos e, agora, com a quarta revolução ou indústria 4.0, encontrar profissionais ideais, aderentes à vaga e, principalmente, à empresa, considerando, competências, habilidades, valores, crenças e cultura, será cada vez mais frequente.

Uma vez contratado, temos ferramentas disponíveis que permitem acompanhar o clima organizacional e os resultados em tempo real. Vejo que os robôs já contribuem e irão contribuir ainda mais para o resultado da empresa.

Mas, para que esses recursos sejam utilizados de forma estratégia, eu como líder, preciso saber a ótica do colaborador, descobrir o que, de fato, ele está buscando na empresa. Será que aguardando o final do mês para receber o salário? Ou cumprindo o que foi determinando para se tornar elegível para receber o bônus? Ou ainda olhando para o relógio esperando a hora de ir embora?  

Buscar o engajamento do colaborador, descobrir o que o move, identificar o momento de vida que ele está passando e investir o seu tempo nele são ações que fazem toda a diferença. Não estou falando em investir tempo o ensinando a realizar uma atividade/tarefa, mas sim investir tempo demonstrando que ele é importante para você, líder, em primeiro lugar e depois para a empresa. Afinal, para ele, a empresa é você.

O papel do líder em transmitir confiança, segurança, transparência, relatar o momento em que a empresa vive, o impacto que o resultado dele trará para a companhia, para a sociedade e, consequentemente, para o próprio colaborador, fará toda a diferença e o trará para o jogo.

Mas para isso acontecer, o CEO da empresa deverá ter um foco no resultado correto, terá de ser um estadista, como Betania Tanure fraseou em um de seus artigos para o jornal Valor Econômico: “o CEO deverá entregar — ao mesmo tempo — resultados de curto e de longo prazo, para os acionistas, colaboradores, clientes, sociedade, entre outros stakeholders”.

Mesmo com as diversas ferramentas de gestão disponíveis, o papel do CEO é essencial. Sendo um estadista, ele conseguirá inspirar a sua equipe, que passará a segui-lo e, consequentemente, todos estarão focados no mesmo resultado.

Sabemos que os sonhos, os desejos, os motivadores vão se modificando na dinâmica de vida de cada um, e que, portanto, apesar dos processos eficazes para recrutamento e acompanhamento, é papel do líder estar atento a todo momento, sendo um agente de reflexão para o protagonismo da equipe e um facilitador para a execução dos planos.

Marcos Jerry

Gestor de Empresas

marcosjerry@uol.com.br

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas

Fechar Menu