Gestão na era quântica – Pensamento exponencial para tomada de decisão

26 fev 2018

Gestão na era quântica

Nas minhas reuniões de equipe, eu sempre recorro ao exemplo do projeto Genoma Humano, citado no livro Organizações Exponenciais (leitura essencial), para ilustrar o pensamento linear versus o pensamento exponencial na tomada de decisão: “Em 1990, o Projeto Genoma Humano foi lançado com o objetivo de sequenciar completamente um único genoma humano. As estimativas previam que o projeto levaria 15 anos e custaria cerca de US$ 6 bilhões.

Estudos iniciais sobre a era Quântica

Em 1997, no entanto, na metade do prazo estimado, apenas 1% do genoma humano havia sido sequenciado. Todos os especialistas condenaram o projeto como um fracasso: como foram necessários sete anos para realizar apenas 1% de sequenciamento, seria preciso 700 anos para concluí-lo. Craig Venter, um dos principais pesquisadores, recebeu telefonemas de amigos e colegas implorando que ele cancelasse o projeto para não se envergonhar ainda mais.

No entanto, ao ser questionado sobre suas perspectivas, a opinião de Ray Kurzweil sobre o ‘desastre iminente’ foi bem direfente. ‘1% significa que já percorremos metade do caminho’. O que Kerzweil percebeu, ao contrário de todos, foi que a quantidade sequenciada estava dobrando a cada ano. Um % duplicado sete vezes é 100%. A matemática de Kerzweil estava correta e, de fato, o projeto foi concluído em 2001, antes do prazo e dentro do orçamento.”

O que poderia ter acontecido com um projeto de tamanha relevância para a humanidade, caso a decisão tivesse sido linear e não exponencial? Quantos projetos são engavetados ou mesmo desprezados nas organizações, pela incapacidade de as lideranças projetarem corretamente cenários futuros?

A era da Disrupção

Vivemos uma disrupção global sem precedentes, e o que se aproxima, com a computação quântica, mudará toda a dinâmica empresarial e fará até mesmo a lei de Moore* perder o sentido. Por trás de toda a mudança tecnológica ocorrida nos últimos anos, sobretudo após a massificação da internet, está uma economia baseada em informação, sustentada pelos chips semicondutores. O ritmo de mudança ocorrido na computação está ocorrendo em outras tecnologias e com efeito muitas vezes mais impactante. Um drone custava US$ 100 mil em 2007 e US$ 700 em 2013, um robô industrial custava US$ 500 mil em 2008 e US$ 22 mil em 2013, e por aí vai.

Outras tecnologias avançam num ritmo mais alucinante e exponencial que a própria Lei de Moore. Em 2025, teremos 50 bilhões de dispositivos conectados à internet e 1 trilhão em 2035. Nós tendemos a achar que, como já se passaram 30 ou 40 anos da Revolução da Informação, estamos bem adiantados em termos de desenvolvimento. Mas nós percorremos apenas 1% do caminho. Na prática, todo esse crescimento ainda está por vir.

Os cenários futuros não podem ser projetados apenas com base na velocidade das mudanças de comportamento de consumo e de avanços tecnológicos do presente. As mudanças virão numa velocidade muito maior daquela experimentada nos últimos 10 anos (e foram anos de mudanças incríveis). O grande erro dos gestores atuais, na transição que vivemos entre a era da informação binária para a era quântica, da indústria 3.0 para a 4.0, é projetar linearmente em tempos de mudanças exponenciais.

Pensamento Exponencial

O pensamento exponencial para tomada de decisão estratégica é fator crucial para a sobrevivência e competitividade das organizações. Diretores e CEOs de empresas, líderes de entidades privadas e gestores públicos devem evitar operações lineares, medidas de desempenho lineares e resultados lineares. As organizações lineares têm algumas características comuns, tais quais: a inovação ocorre principalmente a partir de dentro, são top-down, têm intolerância ao risco e inflexibilidade dos processos.

Talvez, o grande desafio da gestão nos próximos 10 anos seja expandir a organização no ritmo que a tecnologia será expandida. O primeiro passo deve ser habilitar a organização para a informação – um ambiente habilitado para a informação proporciona oportunidades disruptivas.

Para ler mais sobre o tema e inspirar o pensamento exponencial: Organizações Exponenciais, Salim Ismail e A Segunda Era das Máquinas, Andrew McAfee e Erik Brynjolfsson.

*A Lei de Moore surgiu em 1965 através de um conceito estabelecido por Gordon Moore, cofundador da Intel. Moore dizia que a capacidade computacional do chip dobraria a cada 18 meses.

Marcos Antônio Mandacaru
FIEMG
Superintendente de Desenvolvimento Industrial

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *