O que fazer para a sua empresa ter sucesso em 2017

08 fev 2017

2017                                                                        

Muito se têm discutido sobre o cenário econômico e os desacertos do universo político no Brasil e no mundo.  Não obstante os entraves e as limitações advindas do contexto político e econômico convêm levar mais a sério as turbulências do cenário tecnológico, demográfico-cultural e socioambiental.  Esses geram descontinuidades aos negócios que se tornam obsoletos, démodé ou, simplesmente, desnecessários.

Por outro lado, várias oportunidades têm surgido, mesmo diante dos entraves econômicos e as incertezas políticas, para aqueles que aceitarem e explorarem as novas realidades.

Em nossa jornada diária como professor e consultor, temos observado algumas equações que não mais poderão escapar ao radar dos gestores e líderes empresariais:

1-Como é possível crescer (desenvolver) e obter resultados excelentes, em  curto, médio e longo prazo?

2-Como é possível fazer mais e melhor, com menos? Sobretudo,  com mais qualidade  de vida e menos estresse.

3- Como ser melhor e mais ágil do que os concorrentes, fidelizando os clientes?

As respostas apontam para três palavrinhas-chave: alinhamento, balanceamento e sincronização, que são os atributos fundamentais ao sucesso. Isso mesmo! Para que o nosso veículo que nos transportará ao futuro, para além de 2017, possa fazer essa viagem com segurança e velocidade, é necessário disseminar a ideia de que todos são responsáveis por essas respostas práticas que farão a diferença na vida pessoal e profissional.

No mundo dos negócios, o alinhamento deve ser trabalhado em quatro dimensões principais:

Filosófica, isto é, assegurar que todos conheçam e façam valer os princípios e os valores diante de todas as situações: aquelas favoráveis e, mesmo,  diante das crises. Isso assegura que não comprometeremos o futuro das nossas empresas na busca por resultados imediatos, como assistimos em vários episódios recentes da história empresarial brasileira, na “Lava a jato”.

O alinhamento estratégico implica na clareza do que e como fazer. Mas,  também, do que não fazer!
A dimensão operacional do alinhamento pode ser traduzida como a capacidade de se manter atualizados e disseminados os estatutos, normativos, o organograma, os “procedimentos”, os sistemas etc. Ou seja, aquelas condições adequadas  que permitirão fazer a viagem do presente ao futuro. Muito importante é o alinhamento espiritual, no qual cada um é o  responsável por criar e manter um ambiente de harmonia e alegria para que as coisas aconteçam com boas energias.

O balanceamento, preconizado a partir do modelo de gestão estratégica do BSC (Balanced Scorecard), nos mostra a necessidade de estabelecer as relações de causa e efeito na execução da estratégia, buscando resultados em pelo menos quatro perspectivas de resultados complementares: as finanças, os clientes, os processos internos e o aprendizado e crescimento.

A sincronização, também, em quatro eixos, nos remete para a necessidade de adequar as possibilidades e superar as barreiras internas, para minimizar os impactos das ameaças e melhor extrair os resultados das oportunidades decorrentes das variáveis externas. Não menos importante, enfrentar as entropias e capitalizar as sinergias para gerar competitividade frente aos concorrentes atuais e futuros.

Por fim, porém, sem querer esgotar o assunto, os líderes e gestores sabem que os marcos saudáveis, na trajetória profissional e organizacional, sempre dependem de fazer um pequeno número de coisas realmente bem.  Saber priorizar é fundamental!  Assim, os modelos de estratégia, operações e gestão, devem contemplar na base: a educação continuada; o trio: planejamento, execução e acompanhamento; a dupla: inovação e processos atualizados e; na essência: a humildade com determinação para entregar resultados positivos e consistentes.

Heles Soares Júnior
Professor na PUC  Minas
Presidente da Gestão Estratégica  Consultoria de Resultados
helesjr@gmail.com

 

Compartilhe:

Comentários

  1. Muito bom texto Heles, curto mas bastante abrangente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *