¿ Por qué no te callas ?

A recomendação do rei Juan Carlos de Espanha ao então presidente da Venezuela Hugo Cháves durante a XVII Conferência Ibero-Americana, realizada na cidade de Santiago do Chile, no final de 2007, bem que poderia ser estendida aos nossos políticos. Falar ao público torna-se compromisso, pelo menos para quem tem responsabilidade e caráter.

Por isso, palavras precipitadas durante campanhas eleitorais viram o inferno para os eleitos, quando se deparam com o choque entre palanques e aplausos com gabinetes sisudos e críticas de toda ordem. São poderosa munição para os opositores, de modo geral mais preocupados com as futuras eleições do que com o próprio país.

Mas esse ainda não é o maior problema. A ingenuidade de governantes, que imaginam deter poder absoluto, os lança em desgraça até que descubram que a caneta do dirigente pode muito, mas não pode tudo. Ainda, que em democracia o dirigente é eleito pela maioria, mas o governo deve ser para todos, aliados e adversários. Esses dirigentes, ao falar se expõem a interpretações- inclusive as maliciosas-, abastecendo as mãos dos contrários com pedras que serão atiradas em seus telhados. E o pior acontece quando há telhas de vidro. E que político não as possuem? Claro que uma ínfima minoria não tem telhados de vidro. Por outro lado, protegidos por telhas mais robustas e opacas, não é possível lançarmos luz sobre suas verdades.

Por isso, somando as palavras do rei Juan Carlos às de Maurice Switzer, professor da Wharton School of Business, que recomenda “é melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida”, sugerimos aos nossos dirigentes uma arma poderosa: o silêncio. E deixar que o trabalho fale por eles.

(*)Júlio Miranda é consultor de estratégias para gestão de negócios
julio@mirandaconsult.net e Diretor do Conselho de Presidentes

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas

Fechar Menu