Riscos & Seguros   Seguro viagem não é plano de saúde.

20 jul 2016

seguro viagem 2

 

Viajar, conhecer o mundo, como é bom, seja a trabalho, negócios ou lazer.

Tem coisa melhor?

Mas existem formas e formas, e dependendo do pacote de viagem a experiência pode ser maravilhosa ou estressante.

E uma viagem problemática é tudo o que se quer evitar.

Ao comprar um seguro viagem o viajante busca segurança e bem-estar em qualquer lugar do mundo, especialmente em casos de urgências (situação onde o segurado necessita de atendimento imediato, pois existe risco de morte)  e emergência (situação onde o segurado necessita de atendimento, não caracterizado como de urgência, podendo aguardar o atendimento de casos emergenciais)  decorrentes de acidentes ou doença súbita.

O “Seguro Viagem” destina-se a atender e assistir viajantes no trajeto ou no seu destino em caso de emergências, já um “Plano de Saúde” contratado no país de origem do viajante destina-se a garantir assistência médica, hospitalar e ambulatorial para atendimentos eletivos (tratamentos programados), urgência e emergência.

Não podendo, portanto, o viajante pretender fazer um tratamento médico no exterior utilizando o seguro para uma situação pré-existente. exemplo: tratamento de câncer, doenças cardíacas crônicas, diabetes, insuficiência renal, doenças hematológicas, doenças neurológicas, órteses, próteses e outras já de conhecimento do segurado antes da viagem.

Contudo, a cobertura de assistência médica prevista no seguro viagem deverá cobrir episódios de crise ocasionados por doença preexistente ou crônica, quando gerar quadro clínico de emergência ou urgência, até o limite do capital segurado contratado para a cobertura, das despesas relacionadas à estabilização do quadro clínico do segurado que lhe permita continuar viagem ou retornar ao local de sua residência, não havendo cobertura para a continuidade e o controle de tratamentos anteriores, check-up e extensão de receitas.

Coberturas

As coberturas são variadas: assistência médica hospitalar e odontológica, indenização por morte ou invalidez permanente por acidente, Traslado Médico durante sua viagem, Repatriação Médica ou em caso de morte em viagem, Retorno de acompanhante, Hospedagem de acompanhante, Prorrogação de estadia, Atraso de voo, Regresso antecipado, Regresso de menores, Despesas jurídicas em viagem, Despesas com fiança e despesas legais em viagem e Perda de bagagem em transporte aéreo.

Custo

Os preços variam segundo a duração da viagem, as coberturas, os valores das coberturas e idade do viajante.

Viajar para a Europa

Quem for viajar para os países da Europa que são membros do Tratado de Schengen não devem deixar de providenciar um seguro-saúde ou assistência-saúde internacional com cobertura para repatriação e gastos com emergência e acidentes, no valor mínimo de 30.000 euros. No ingresso em território Schengen (ou seja, sua primeira entrada, durante a viagem, em um dos países membros), essa exigência poderá ser feita. Caso o viajante  não tiver em mãos a documentação que comprove estar assegurado nesses moldes, poderá ser barrado.

Mas, o principal é obter da operadora uma efetiva coordenação da logística e tramites administrativos no caso de necessidade de assistência médica, traslados sanitários e repatriação sanitária, repatriação funerária, translado e estadia de um familiar, acompanhamento de crianças e idosos, hotel para convalescênca, furto e extravio de documentos. Isto sim, faz diferença na hora que necessitar do seguro viagem.

Procure um corretor de seguros para contratar o seguro viagem adequadamente.

Sérgio Frade
Presidente
Solutions Gestão de Seguros

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *