Trabalhar como terceirizado não é pior. É duas vezes melhor.

18 abr 2017

terceirizacao_arte

 

Enfim a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que legaliza a terceirização para qualquer atividade empresarial no Brasil. Até que enfim começamos a fazer algo que nos aproxime do século em que estamos vivendo mas, assistindo ao debate na TV Câmara, não pude deixar de ouvir as frenéticas e descabidas afirmações de alguns deputados, de que aquilo seria um “crime contra o trabalhador”, acarretando a “perda de direitos do trabalhador”, ou “perda das garantias conquistadas com a CLT” e assim por diante.

Como a maior parte das pessoas não conhece o assunto, resolvi escrever aqui um pouquinho, apenas para que fique claro como as coisas funcionam de verdade, longe do etéreo mundo descrito por aqueles inflamados discursos.

O projeto aprovou a terceirização, mas não extinguiu a CLT. Os empregados continuarão a ser contratados tendo esse conjunto de leis como diretriz (com exceção apenas dos trabalhadores temporários, regidos por lei que existe desde 1994), com todos os direitos assegurados. Todos mesmo, o que inclui décimo terceiro, férias, aviso prévio etc. Não há perdas para o trabalhador.

O melhor é que, ao contrário do que os discursos dos inflamados de ontem queriam tentar provar, os terceirizados, na realidade, possuem mais segurança do que os não terceirizados. Na realidade, dupla segurança.

Quem trabalha, contratado pela CLT diretamente por seu empregador final, tem a garantia de que a empresa que o contratou seja responsável pelo pagamento de todos os seus salários e benefícios. Ocorre que, se a empresa onde trabalha ficar insolvente, ele simplesmente terá que aguardar para ver o que conseguirá receber de sua massa falida. Ninguém mais será responsável por isso.

Por outro lado, quem trabalha como terceirizado, tem também na empresa que o emprega (no caso uma agência) um responsável por seus salários e benefícios mas, se essa empresa se tornar insolvente, o tomador dos serviços, ou seja, a empresa na qual ele trabalha como terceirizado, será responsabilizada. As duas empresas são, subsidiariamente, responsáveis por garantir seus direitos e pagar por eles. Para que não receba duas empresas teriam que quebrar.

Mas, podem me perguntar, e quanto à sua carreira? Também aí existe uma dupla vantagem, pois o empregado pode desenvolver sua carreira em qualquer uma das empresas, seja a agência que o contratou, seja o tomador de seus serviços. Isso não é uma suposição, é uma realidade facilmente comprovável, bastando que se visite uma grande empresa e se verifique onde começaram a trabalhar vários de seus executivos.

Mas então terceirizar não pode ficar mais barato do que contratar direto, dirão alguns. Daí qual seria a vantagem em se terceirizar? Ao contrário do que muitos pensam, a vantagem em terceirizar não está nos custos, mas na especialização, que gera eficiência e melhora a qualidade. Mas isso é assunto para um outro artigo.

Sidney Porto
Presidente do Conselho da Gerencial Brasil

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *