Cuidado, a onda agora é mais alta e pode nos derrubar!

onda

Quem viveu os célebres anos de 80 e 90 curtiu a explosão do rock brasileiro, comemorou o nascimento do primeiro bebê de proveta no Brasil e assistiu à popularização da internet. Entre os memoráveis fatos ocorridos nestas duas décadas não podemos deixar de ressaltar o Plano Real.

Criado em 1994, ele colocou fim à hiperinflação, que atormentou o brasileiro por cerca de 15 anos com índices que beiravam 85% ao mês. Empresas falidas, desemprego e redução do poder de compra, entre outras consequências, foram amenizadas, trazendo paz ao nosso sono.

Retornando aos dias de hoje, podemos dizer que 2015 nos trouxe a lembrança, no que tange à inflação, do que foi esse período. Encerramos o mês de dezembro com um índice que supera os 10% no acumulado do ano, o que não acontecia desde 2002. O número é pequeno se comparado aos recordes da hiperinflação, mas é suficientemente grande para contribuir com que nossa moeda despenque frente ao dólar e os preços dos produtos aumentem a ponto de desvalorizar novamente nosso poder de compra.

E os novos empresários brasileiros, será que eles estão preparados para lidar com esse fantasma que já não assombrava há mais de 20 anos?

A inflação com dois dígitos está de volta e a expectativa é que ela continue alta. Aos empresários brasileiros sugiro mudarem a atitude na forma de gerir. Nós, empresários, “surfamos na onda” da estabilidade da moeda desde o Plano Real e no crescimento dos últimos anos.

Teremos pela frente 2016 e 2017, tempos de “vacas magras”, conforme especialistas em economia.

Os aumentos de custos estão vindo com força, por todos os lados, e estes refletem diretamente no preço final do produto. Com esses aumentos as empresas podem perder mercado. Reduzir a margem de lucro seria uma saída, mas, que margem? Muitos hoje operam no limite.

O cenário pede foco em três principais pontos.

O primeiro é inovar de verdade, no posicionamento dos 4Ps do Marketing.
Por exemplo, criar novos Produtos, adequar o Preço à realidade mercadológica, conquistar novas Praças e realizar uma Promoção de forma diferente.

O segundo, optar por aqueles colaboradores que têm visão empreendedora, por causa do dinamismo e da rapidez que o momento exige.

Terceiro, olhar “pra dentro do seu negócio”, para os custos, e cortá-los, sem dó e rápido, muito rápido, pois faltará caixa futuramente com a desvalorização da moeda. Vale lembrar, que é muito importante nesse período de crise evitar deixar o dinheiro parado, sem aplicações, e qualquer real que sobrar, guarde, pois o “colchão” valerá muito “amanhã”, dará sustentabilidade na falta de clientes e mercados por causa da recessão, que, infelizmente,volto a repetir, tende a piorar.

O aumento da inflação não é culpa nossa, reconhecemos que os significativos aumentos de preço de produtos, como os derivados de petróleo e energia elétrica, desencadearam todo o processo, além do momento político brasileiro.

Mas, a habilidade de lidar com todas as consequências desses fatos é nosso grande desafio.
Por esse motivo, empresário, mude sua atitude na forma de gerir.
Agora, a “onda que temos para surfar é outra, é mais alta e pode nos derrubar”.

A sua atitude é que fará a diferença, nada mais!

Ruy Freitas
Sócio e consultor na RFConsultores
http://www.rfconsultores.com.br/

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas

Fechar Menu