As 6 maneiras de fazer uma empresa crescer

como-fazer-sua-empresa-crescer

O termo “inovação” é geralmente associado a gênios que transformam startups em minas de ouro – a próxima Google, Apple ou Amazon, com produtos que ninguém sequer imaginava que precisava. As empresas de private equity fazem centenas de pequenas apostas nessas startups, na esperança de que uma delas traga ganhos inesperados que compensem o investimento feito em todas as outras. Na maior parte das vezes, essas apostas no próximo motor de crescimento dependem mais de sorte do que de uma grande ideia.

Enquanto isso, toda empresa tem ambição de ser tão inovadora quanto essas startups. Várias empresas investem nelas ou as compram, incertas se vão colher apenas o efeito halo pelo qual chegam a pagar caro demais, agravado pelo fato de que a maioria não se alinha com a estratégia da empresa ou atende uma percepção do mercado. O mesmo vale para as ideias: a chave é saber em qual startup investir sem fazer apostas aleatórias. Contudo, de acordo com uma série de três pesquisas, conduzidas ao longo de seis anos por Maddock Douglas, a consultoria onde trabalho, enquanto 80% dos executivos sabem que o sucesso de suas empresas depende da criação de novos produtos e serviços, mais da metade admite que as empresas não alocam recursos suficientes para promover a inovação. (Para mais informações, confira o livro Brand new: solving the innovation paradox, de G. Michael Maddock, Luisa C. Uriarte e Paul B. Brown.)

Inovação é uma palavra que tem sido relacionada à busca por novas formas de crescimento e toda corporação precisa crescer ano após ano. Entretanto, o primeiro passo para ter um crescimento real é entender de onde ele vem. Vemos que o crescimento se tornou desnecessariamente complicado. Dessa maneira, resumimos como crescer em seis simples categorias com exemplos da Apple:

  • Novos processos.Venda os mesmos produtos com margens maiores: corte despesas de produção e frete, automatize para obter eficiência, corte excessos na cadeia de fornecimento ou de fabricação e utilize robôs.
  • Novas experiências.Venda mais do mesmo produto para as mesmas pessoas: aumente a retenção e a participação ao conectar-se profundamente com os consumidores. Um exemplo é a experiência proporcionada pelas lojas da Apple, que muitos diriam que é tão fascinante quanto os produtos da marca.
  • Novas características.Venda produtos incrementados para as mesmas pessoas: adicione melhorias que alavanquem compras adicionais. Um exemplo disso é que todo celular lançado pela Apple vem com câmeras melhores e assim por diante.
  • Novos clientes.Venda mais do mesmo produto para novas pessoas: coloque o produto em novos mercados com necessidades semelhantes à sua atividade principal ou em mercados que possam atender uma necessidade diferente. Para a Apple, isso remonta a alcançar o mercado comercial e não a comunidade de design.
  • Novas ofertas.Faça novos produtos para vender: desenvolva um novo produto, não faça apenas melhorias. Descubra novas necessidades para satisfazer os mercados existentes ou invista em uma nova categoria. Lembre-se do HomePod ou do iPod.
  • Novos modelos.Venda produtos de uma nova forma: repense em como entrar no mercado criando novas fontes e canais de renda e maneiras para criar valor. Isso pode ser tão simples quanto passar para um modelo de assinaturas ou tão transformador quanto a criação do iTunes da Apple.

Novos modelos, novas formas de entregar, podem estar em qualquer parte do portfólio de inovação, tal como decisões de manufatura, venda ou parceria. Saber qual tipo de crescimento suas iniciativas representam e o lugar delas no portfólio determina o que e como buscar, inclusive adquirir uma startupque contenha a chave do quebra-cabeça identificada de modo intencional por critérios objetivos, livres de riscos devido às pesquisas e à identificação de necessidades não preenchidas no mercado.

Saber como o crescimento acontece e as melhores formas de direcionar os esforços da organização para crescer é tão importante quanto alocar investimentos no âmbito de risco-recompensa para obter um retorno máximo. É melhor assim do que fazer apostas aleatórias na mais recente startup na esperança de ter sorte. Ou pior, apostar em uma bala de prata que falha.

—————————————————————————
Gino Chirio é vice-presidente executivo da consultoria de inovação Maddock Douglas, onde presta consultoria a projetos de crescimento por meio da inovação para várias antigas empresas da Fortune100 por quase duas décadas.
—————————————————————————
Tradutora: Laura Fabri da Conceição

Compartilhe!

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas

Fechar Menu