AS FUNÇÕES DO GABINETE DE CRISE NAS SITUAÇÕES COMPLEXAS

No mundo moderno, cheio de problemas sociais, econômicos e políticos em que vivemos, em que sua multiplicidade oferece exemplares de quase todas as fases históricas conhecidas, ouvir falar de problemas sociais é coisa que ocorre durante todo o dia.

Fatos e circunstâncias, de caracterização múltipla, encontram entre si, dentro da pluralidade de fatores que condicionam, um traço comum: o de serem problemas sociais.

A estrutura social está assentada na estreita e complexa interdependência que existe entre as partes que a compõem, além do que todas elas estão em permanente mudança. De fato, se nada existe de imutável na realidade objetiva, muito menos nas estruturas sociais. Acerca destas premissas, os problemas e as crises emergem.

Em sendo assim, o Gabinete de Crise pode ser entendido como sendo uma organização de pessoas baseada na divisão de trabalhos e de tarefas pré- determinadas, com funções específicas, com objetivos de colher informações; processar informações (coleta, análise e difusão); aplicar informações, através do planejamento e do auxílio à tomada de decisões; agir e reagir, através da implementação de planos e decisões e da coordenação de ações; apoiar todas as funções acima, através de um trabalho de logística e de administração; sede de autoridade para as operações diversas.

O gabinete de crise torna-se importante para concatenar idéias, padronizar diretrizes e ações em respostas aos eventos complexos (crises) que surgirem, e um gerenciamento conduzido de forma equivocada para a resolução dos problemas ou situações complexas, sejam eles nas instituições (públicas ou privadas), pode ocasionar consequências danosas e até irreversíveis.

Vale aqui ressaltar que uma situação complexa apresenta características peculiares sendo imprevisível (não sabemos o momento em que se iniciará), compreende tempo (não sabemos quanto tempo durará), e tem uma necessidade de postura organizacional/institucional/empresarial não rotineira (o problema não é ordinário, não ocorre todos os dias e momentos e por isso exige uma ação diferenciada e especial por parte dos gestores e colaboradores).

A forma e o modo com que se apresenta cada problema, em determinada situação de tempo, lugar e estrutura, são as diversas contextualizações e formatos pelos quais a mudança social se pode apresentar à sociedade em cuja estrutura ela ocorre, o que pode acontecer numa escala praticamente infinita de situações particulares.

Quando se fala em gerenciar uma crise, implica em que o órgão ou setor responsável pela adoção das medidas tem consciência de que esta poderá ocorrer, independente dos esforços adotados em sua prevenção.

O processo de tomada de decisão pelo gabinete de crise implica na atenção a se ter às características das decisões, à ausência de estrutura, à incerteza, ao risco e ao conflito. O gabinete de crise deverá estar harmoniosamente estruturado para que situações como a tomada de decisões repentinas não enfraqueça e muito menos abale a composição da equipe.

A tomada de decisão terá como fases a “ identificação e diagnóstico do problema, a geração de soluções alternativas, a avaliação das alternativas, a seleção e escolha, a implementação da decisão e a avaliação da decisão” e em sendo ela feita pelo gabinete de crise (equipe) agregará vantagens de impacto como a obtenção de maior conjunto de informações, maiores perspectivas nas abordagens e temáticas, estimulação intelectual. As pessoas entendem a decisão e as pessoas são compromissadas com a decisão.

No início de uma crise, assim que se estabelecer o gabinete, deve-se buscar a técnica do “Brainstorming” (tempestade de idéias) com o máximo possível de
idéias para a resolução da crise pelos atores envolvidos, evitando críticas, esgotando todas as idéias e as combinando por fim, avaliando a necessidade da decisão, se ela será aceita pelos envolvidos e avaliar se correr o risco é imperioso.

Por fim, frise-se alguns pontos importantes a serem bem geridos, observados, orientados pelo Gabinete de Crise, que se tornam também funções a serem exercidas pelo Gabinete de Crise ou Comitê de Gestão, quais sejam a produção de informações; o processo de negociação; os recursos humanos envolvidos; a gestão logística; a comunicação; as gestão Político-Governamental; a descentralização e gestão setorizada; os conflitos de atuação ou competência e; a estratégia a ser adotada.


Júlio Cezar Vilela Pereira, Major da PMMG, especializado em Segurança Pública e MBA em Gestão Estratégica, Inovação e Conhecimento.

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas