Brasileiro já nasce driblando a corrupção

A vida é o bem mais precioso do ser humano. Entre o primeiro sopro de ar nos pulmões e o último pulsar do coração, muita coisa acontece num piscar de olhos. A vida chega anunciando que do ventre nasce um ser único, que ocupará o seu lugar no mundo, e que, indiscutivelmente, fará parte de uma sociedade. Quando o indivíduo aponta ele não tem poder de escolha. Nasce e pronto. Com direito à vida, em busca da liberdade de ser quem se é dentro do meio no qual se vive. Esse talvez seja o mais relevante e mais extenso combate de uma existência; a conquista pela liberdade – inclusive, no país que vivemos. 

Nascer brasileiro é muito mais do que torcer pela seleção de futebol. Brasileiro raiz é o sujeito que acorda todos os dias acreditando na importância da democracia, é aquele que defende a família como o seu bem maior. Brasileiro da gema é o cidadão que tem a alma marcada por um passado de escravidão e a mente lúcida apontada para a liberdade coletiva. Sim, pois liberdade individual é como ser livre em cárcere privado. A verdade é que o sujeito só pode ser verdadeiramente livre em um país democrático. Veja o exemplo da China, da Coréia do Norte, da Rússia. Quando os governantes são controladores o que se vê são indivíduos tolhidos em seus direitos de ir e vir, uma sociedade oprimida, manipulada, conduzida na vara curta.

Em 2006 eu vivi a experiência de morar na Venezuela de Hugo Chávez. Nos supermercados de classe média não tinha açúcar, não tinha café, quase não tinha carne, e por aí vai. Entretanto, nos mercados populares “chavistas”, não faltava nada, ao contrário, o Presidente fazia questão de pronunciar em seus discursos que “o seu povo” tinha fartura. Ao visitar o supermercado meu pulso era carimbado com a imagem de Simón Bolívar – o militar e líder político venezuelano que no século XIX foi o primeiro a apoiar a descolonização da Venezuela pela Espanha – o que significava que eu só poderia pegar 1 kg de cada alimento. O pior é que a tinta durava uma semana para sair e, nesse período, eu não tinha o direito de, sequer, entrar no comércio. Toda a água do país era suspensa a partir das 22 horas, sendo reaberta às 6 da manhã. Hugo Chaves entrava no ar ao vivo, obrigatoriamente, em todas as emissoras de tv e rádio, três vezes ao dia; às seis, ao meio dia e às 18 horas. Veja bem, o país que tem a maior reserva de petróleo do mundo, certificada em 302,8 bilhões de barris, no qual o petróleo é responsável por cerca de um terço do seu PIB, vem assistindo boquiaberto a sua situação econômica se deteriorar. O comunismo enterrou a Venezuela, fazendo os índices de inflação subirem vertiginosamente e os medidores do PIB encolherem a economia do país. O salário mínimo dos trabalhadores chegou ao valor mais baixo da história, em torno de R$ 12,00. Resultado: o poder de compra da população caiu assombrosamente, puxada pela inflação e pelo desemprego em massa. Hoje, mais de 70% dos venezuelanos vivem em situação de pobreza.

Enquanto isso, nós, brasileiros, já nascemos driblando a corrupção. Com o passar do tempo nos acostumados com o açoite das inflações, com a subjugação do desemprego, com os governantes patifes e seus ideais socialistas. Nos acostumamos com os programas assistenciais do governo que primeiro quebram as nossas pernas, para depois nos oferecerem muletas. Nos acostumamos com o jeitinho, com o suborno, a não devolver o troco quando ele vem a mais. E foi assim até bem pouco tempo. Chegou o fim da linha para a quadrilha que comandava o gigante adormecido, feito marionete. É chegada uma nova era na qual o Brasil finalmente caminha para a democracia de braços abertos.

Por fim, o gigante acordou e elegeu um representante que valoriza a vida e propõe políticas em defesa da liberdade, da paz e da prosperidade. Escolheu a dedo um governante que preza pelos mercados livres e por uma sociedade independente, notoriamente está a favor da liberdade e da prosperidade do povo. (Diferente de Hugo Chávez e, por conseguinte, Nicolás Maduro).

Ver o brasileiro indo às ruas a favor da sua pátria, da sua família e do seu lugar na sociedade; isso é liberdade. Ouvir o povo colocar Deus acima de todos; isso é paz. Saber que o número de assassinatos caiu em quase 20% no país ano passado; isso é prosperidade. Ter a missão de salvar vidas e também empregos; isso é a valorização do ser humano.

Eu sou brasileira, com muito orgulho, com muito amor. Agora sim essa afirmativa faz sentido.

Karen Curi – Jornalista e escritora com vivência em projetos assistenciais na Venezuela, na Bolívia e no Brasil.

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas