Como a proatividade de mercado pode contribuir para o sucesso empresarial

prof-leonardo-araujo3prof-rogerio-gava2

A proatividade de mercado não brota, por acaso, no solo da empresa. É necessário semear capacidades. Como acontece com quem vai fazer uma maratona, não basta apenas querer. É preciso desenvolver músculos para chegar lá.
Como a proatividade funciona na prática e de que forma impacta a performance do negócio? Que capacidades são necessárias para forjar a gestão proativa? São quatro os pilares que sustentam a proatividade empresarial. Vejamos:

Gestão do comportamento proativo: Empresas proativas são feitas DE e POR pessoas proativas. Tudo começa pela existência de líderes capazes de inspirar, estimular e reconhecer comportamentos proativos na empresa. São os verdadeiros artífices da “cultura da proatividade” – que acaba gerando nas pessoas a disposição para agirem em prol da antecipação. Como nos disse um CEO: “A competição está cada vez mais difícil e não podemos gastar energia empurrando os gestores para agirem. ”A proatividade pessoal não é 100% inata. O contexto gerencial deve estimulá-la.

Gestão da incerteza: Lidar bem com riscos e erros é um dos diferenciais das empresas proativas. Empresas cujos gestores têm poucas habilidades técnicas e atitudinais para lidar com riscos terão dificuldades para se lançarem à antecipação de mudanças. Em consequência, serão incapazes de aprender com os erros estratégicos. Nossas pesquisas comprovam: as empresas ainda são retóricas em relação às falhas de percurso. Muito se fala sobre os benefícios dos erros; na prática, ainda são pouco tolerados no ambiente corporativo por serem vistos como “pisar na bola”.

Gestão da inovação proativa: Proatividade e inovação andam sempre junto. Acontece assim: a empresa percebe tendências, capta os sinais da mudança e age de forma inovadora. A inovação proativa traz consigo um “quê” de aposta e de antecipação de ondas que ainda vão se adensar nas praias da competição. Para agir assim é preciso que um outro músculo seja desenvolvido: a capacidade de gerenciar de forma flexível. Empresas muito rígidas inovam pouco. Para fazer o novo, resiliência e ousadia contam muito. As regras de mercado não são fixas. Portanto, faça perguntas novas e seja flexível.

Gestão do futuro hoje: Empresas reféns do presente jamais serão proativas, justamente porque a tirania do curto prazo solapa a visão de futuro dos estrategistas, deixando-os impacientes e imediatistas. Considere as empresas mais inovadoras: todas elas foram capazes de antecipar tendências ao enxergar bem antes e mais longe que a média dos competidores. Empresas proativas acreditam antes de ver, antecipam a mudança e deixam os concorrentes no retrovisor.

Pense nesses quatro pilares e coloque a proatividade de mercado na agenda estratégica de sua empresa. Como acabamos de ver, a proatividade requer músculos que devem ser constantemente postos a trabalhar, sob pena de atrofiamento. Quando isso acontece, será muito difícil à empresa sair do lugar comum da reatividade.

Leonardo Araújo
Rogério Gava
http://proatividademercado.com.br/

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas