Como gestores financeiros, com visão sistêmica, podem contribuir com o sucesso empresarial.

Augusto

Competitividade, longevidade e cumprimento da função social suscitam, nas organizações, uma reflexão sobre como a gestão financeira e os executivos de finanças podem contribuir de forma significativa para a sustentabilidade e perenidade das corporações.

A complexidade do mercado financeiro, dificulta a comunicação entre a função financeira e as operações das empresas, o que torna as finanças corporativas uma entidade à parte no sistema organizacional. O desafio dos executivos de finanças é transformar o financeiro complexo e chato, em algo simples, passível de execução e principalmente inteligível. Foi-se a época em que a definição da estrutura de capital, os controles de contas a pagar e receber, a elaboração dos orçamentos e as projeções de caixa eram suficientes.

Na atualidade, os gestores financeiros precisam entender mais do negócio da companhia, entrar na operação e, por meio de instrumentos simples, traduzirem o “financês” em adequações operacionais e de compliance. Roic, EVA, Roce e Ebitda, muito utilizados no meio financeiro, são consequência das ações operacionais implementadas. Poucas organizações conseguem, com simplicidade, traduzir esses conceitos em tarefa de todos.

O presidente de uma grande empresa questionou o porquê de uma companhia com bom Ebitda, não gerar caixa há mais de sete anos, sendo obrigada a recorrer a bancos para viabilizar a sua expansão. Em uma análise superficial, o foco poderia ser trabalhar a estrutura de capital com uma adequação dos recursos de terceiros ao fluxo de caixa previsto. Para o mercado financeiro, uma simples reestruturação de dívidas resolveria. Entretanto, apesar dessa adequação ser viável, existe uma oportunidade de gerar mais resultados, caso seja analisada a operação, entendido o ciclo financeiro, o processo de compras, de estocagem, logística, vendas, de recebimento e o de pagamentos.

O estoque é necessário, é um diferencial competitivo, mas estava em excesso, ocupando o lugar de outros produtos de maior giro e lucratividade. Os níveis de estoque cresciam em velocidade superior ao faturamento e o resultado era todo consumido como fonte de capital para ampliação desse estoque. A companhia, mesmo reestruturando as dívidas, se continuasse com um acelerado crescimento e com a mesma política operacional fatalmente entraria em colapso no longo prazo. O aporte de capital em estoque consumiria os resultados gerados e novos aportes de recursos seriam necessários.

Quando a geração de caixa não cobrisse mais as dívidas, a companhia não encontraria recursos no mercado, levando um negócio lucrativo à falência por problemas financeiros, sem contudo identificar que a causa da bancarrota estava na gestão de estoque. O executivo de finanças, em conjunto com a equipe de compras, logística e vendas deve definir um controle que permita aos compradores gerenciar volume de estoque, custo e prazo de pagamento. Dessa forma, o comprador pode, em cada negociação, simular o melhor para a companhia e fica clara a importância de um financeiro com visão de sistêmica do negócio.

Augusto Carneiro
Sócio da Top Capital Partners e membro do Conselho de Presidentes
https://www.topcapitalpartners.com.br

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas