Disrupção não é a Nova Economia “requentada”!

 

Disrupção Econômica

Há alguns anos, alguns empresários, CEOs e consultores de empresa discutiam sobre a “Nova economia”, que estava desabrochando naquele momento instigada pela internet (que, posteriormente, eclodiu nas “bolhas”) e todos ali presentes (sem exceção) estavam completamente perdidos …

Em determinado momento, o “facilitador” da reunião virou-se para um dos CEOs e perguntou qual era a opinião dele a respeito daquele tema que tanto intrigava a todos.

E ele, então, respondeu: “Sou é muito azarado. Eu fico me perguntando o que foi que eu fiz para merecer que essa tal ‘Nova economia’ e a internet fossem surgir justamente durante o meu mandato?”

Acho que é mais ou menos o que está acontecendo hoje.

Disrupção Econômica e a Tecnologia

Todos sabem tudo a respeito das transformações que já estão ocorrendo e que serão potencializadas daqui para frente com relação à disrupção econômica e à indústria 4.0: IoT, IA, drones, robôs, impressora 3D, Block Chain etc.

Mas, ninguém sabe com clareza (com algumas exceções em segmentos onde isso está identificado) como essas transformações irão afetar a perenidade das empresas e a vida das pessoas. E, o pior de tudo, como agir no sentido de transformar a empresa em uma organização “transgênero” para conseguir sobreviver e ter sucesso no futuro?

Podemos até considerar que existem dois “futuros” para a Disrupção Econmica a nossa frente:

  • O futuro do presente, que nas técnicas de previsões futuristas era normalmente extrapolativo, tornou-se inócuo e cada vez mais sem sentido. As ferramentas tradicionais gestão já não valem mais nada.
  • E o outro futuro, de grande probabilidade de ocorrência, que não tem necessariamente nada a ver com o presente no qual estamos vivendo. É esse o tipo de futuro que vai exigir que nos mostremos preparados para o imprevisível e o desconhecido!

Mas, onde se encontram as pessoas responsáveis pela estratégia de Disrupção Econômica das empresas? Na parte superior da pirâmide!

E o que encontramos na parte superior da pirâmide organizacional?

  • Pessoas com melhor diversidade e experiência
  • Maior investimento no passado
  • Maior reverência pelas decisões acertadas no passado

Mas, se o futuro não é mais do uma repetição (“um ponto acima”) do passado, para que serve a experiência então?

E o pior…

Os dirigentes e a liderança superior conversam entre si durante muito tempo sobre Disrupção Econômica, e suas ideias são bem ensaiadas; eles são capazes até mesmo de concluir as frases uns dos outros.

Existe até um tipo de incesto intelectual entre os altos dirigentes e líderes que distorcem a estratégia por causa da consanguinidade.

Essa realidade confirma, então, que não basta somente a opinião de quem está na parte superior da pirâmide da Disrupção Econômica para que as proposições radicalmente diferentes aconteçam. É preciso de algo mais…

É necessário envolver os “revolucionários” da Disrupção Econômica, onde quer que estejam (seja na sua empresa ou fora dela), em um diálogo sobre o futuro.

Disrupção Econômica e o Futuro

É essencial “injetar sangue novo” no processo de Disrupção Econômica, ou seja, incorporar no grupo outras pessoas com os seguintes objetivos:

  • Enriquecer as discussões com diversidade de ideias;
  • Tornar possível a consideração de outras possibilidades.

E a razão é simples…

Novas riquezas são geradas por novas ideias.

E as novas ideias costumam vir de novas “vozes”.

Você está prestando atenção a essas novas “vozes”?

 

João Delpino
New Comunicação
Presidente

Carlos Pessoa
Palestrante e Consultor
pessoa@carlospessoa.com.br

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este post tem um comentário

  1. Avatar
    Júio Miranda

    Vocês já notaram que principiantes no jogo de Truco ou Pôquer, em curso de tiro e em diversas outras atividades acabam se saindo melhor do que os veteranos? Costuram da a esse fenômeno o rótulo de “sorte de principiante”. Será mesmo sorte ou o indulto prévio por eventuais erros, o que desperta a coragem para arriscar?

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas