Existe, sim, vida após a Covid-19

“Novo normal, novo lugar-comum, novos tempos” batizam uma nova era, ou simplesmente referem-se ao resgate de valores e comportamentos negligenciados no “velho normal”? Ou, ainda, dizem respeito a uma mistura de capitalismo, socialismo, comunismo, cada qual contribuindo com sua parcela de significância nas políticas públicas? Ou, no caso do Brasil, a revisão de sua democracia até então geradora de usufruto para uma oligarquia política e seus oligárquicos mantenedores? Provavelmente um pouco de tudo isso.

Em matéria que publiquei no jornal Estado de Minas em abril de 1990, portanto trinta anos atrás, tive o privilégio de entrevistar o saudoso Pierre Weil, psicólogo, pensador e escritor. À época presidente da Fundação Cidade da Paz e reitor da Universidade Holística Internacional, o escritor já defendia a bandeira de um “novo normal”, uma mudança na forma de encarar a vida. Para ele, o então considerado normal vinha sendo sufocado pelo comum, como se esse comum pudesse se legitimar como normal.

Para Weil,  o “novo normal” está no paradigma holístico,  no respeito a uma nova ordem na forma de encarar o universo. Nada de fronteiras em todos os aspectos e nunca enxergando a parte dissociada do todo. Para o psicólogo, essa maneira de pensar é um rico legado do padre Antônio Vieira: “o todo sem a parte não é todo, e a parte sem o todo não é parte”.

Em suas publicações, Pierre Weil considera que as fronteiras são as grandes barreiras do desenvolvimento humano. Ele diz ter aprendido essa lição quando ainda era criança, ao conviver com a disputa entre a França e Alemanha sobre a posse de Strasbourg, sua terra natal, situada na divida dos dois países. “Naquela época descobri a nocividade das fronteiras, o que me preparou para, hoje, trabalhar na colocação de pontes sobre todas elas, sejam fronteiras nacionais, psicológicas, religiosas, epistemológicas ou do conhecimento. Essas fronteiras separam os especialistas e os transformam em pessoas que sabem tudo sobre o nada”, dizia ele.

E completava, […] “A partir do momento que o homem se sente separado [do meio ambiente], sua tendência é possuir tudo que lhe dá prazer e de rejeitar tudo que lhe dá dor ou o ameaça, ficando indiferente a tudo que não lhe serve imediatamente. […] Os cursos e discursos intelectuais e conferências são válidos, mas não resolvem o problema, pois mudam opiniões sem, contudo, mudar atitudes. […] Ter conhecimento técnico não é bastante. É preciso ter consciência no emprego das técnicas.”

Inspirado no autor, acredito que, no pós-pandemia, teremos uma boa parte do “velho normal” resgatado em sua essência, uma espécie de tradicional travestido de atual. O mercado será mais exigente quanto ao efetivo papel da economia como ciência social. Cobrará das organizações genuíno compromisso com o social até então sufocado pela pressa, pela competição nem sempre leal e excessiva dose de ganância com roupagem de legítima ambição. Novos conhecimentos técnicos serão agregados, é claro, mas o que prevalecerá, conforme Weil, será a consciência no emprego das técnicas.

O foco, como nunca poderia deixar de ter sido, será a solução de problemas, e não a mera adaptação a eles, como sabiamente advoga há muito tempo o doutor Marcos Sant’Anna, membro do Conselho de Presidentes. Assim, o “novo normal” exigirá a ressignificação de líderes e organizações para o melhor emprego de técnicas- novas ou não- na conquista e manutenção de clientes, na permissão e aceitação social de sua existência e sustentabilidade. Consumidores terão maior protagonismo e serão cada vez mais exigentes quanto a valores que, para muitas organizações, vinham sendo irrisórios percentuais de seus orçamentos investidos em muita comunicação e pouca ação efetiva.

Acredito que a intensificação do home office e do delivery, bem como a desaceleração  do consumismo, o compartilhamento, a emigração para lugares mais pacatos, por exemplo, serão  a tônica da óbvia solução dos problemas de mobilidade e de poluição por combustíveis fósseis. Nada de alargar ruas e avenidas, impor rodízios de automóveis, enfrentar transporte público vergonhoso. Nada de fronteiras nas contratações de empregados, que prestarão serviços a partir de suas casas e de seus países. A reorganização “browniana” da economia exigirá melhor distribuição da renda, com naturais entregas de anéis ou perdas de dedos. O mundo não terá mais espaço para a direita ou esquerda, mas para o time dos que querem seguir em frente, e no qual eu pretendo jogar.

Pierre Weil ( 16 de abril de 1924 – 10 de outubro de  2008)

Ex-Presidente da Fundação Cidade da Paz e Reitor da Universidade Holística para a Paz de Brasília – UNIPAZ. Autor de 35 livros, entre eles o best seller  “O corpo fala”.

Júlio Miranda- julio@mirandaconsult.netjulio@conselhodepresidentes.net

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas