A indústria brasileira é um negócio da China

 

negocio da china

Li há pouco tempo, com um misto de respeito e tristeza, entrevista concedida pelo empresário Carlos Tilkan, presidente da Estrela, tradicional indústria brasileira de brinquedos.

A empresa é mais uma das tantas vítimas de planos econômicos equivocados. Merece respeito o brilhante trabalho desenvolvido por Tilkan, que conseguiu reerguer a empresa depois de amargos quinze anos de ameaças da invasão de produtos chineses ao Brasil.

O executivo foi forçado a demitir empregados, fechar fábricas, driblar entraves à competitividade como logística precária, carga tributária escorchante, pesados encargos sobre a folha de salários, apenas para citar alguns fatores que tiram o sono do empreendedor brasileiro.

Contudo, senti uma profunda tristeza por perceber que a indústria brasileira Estrela já não é mais tão indústria e nem tão brasileira assim. Para conseguir sobreviver, passou a exportar seus produtos, mas com o detalhe de que tais exportações se dão a partir de sua fábrica na China. No   Brasil, a empresa passou de indústria a comércio.

Nas proximidades de Xangai, China, visitei fábricas de eletrodomésticos que exportam para “indústrias” brasileiras, as quais passaram a comercializar e não mais fabricar os produtos que deram origem à sua existência. Ainda bem que suas marcas conseguiram sobreviver ao homeopático processo de transferência de empregos e processos industriais para os países asiáticos.

Fabricação de produtos por terceiros não é problema, quando se trata de estratégia de negócios. No caso da Estrela e de diversas outras indústrias no Brasil, mais do que estratégia de negócios, a terceirização de sua produção ou a transferência de suas unidades fabris para a China são desesperada saída para a sobrevivência, já que seu país de origem não oferece condições de competitividade em nível internacional.

Concorrentes estrangeiros passaram a ser parceiros, mas a que preço para o Brasil no longo prazo? É a triste máxima que diz: “se estiver no inferno, para sobreviver tem de abraçar o capeta”. Melhor seria se estivéssemos no paraíso.

Segundo o Fórum Econômico Mundial, o Brasil que já ocupava a ridícula 57a. posição no ranking de competitividade, caiu dezoito posições, passando a ocupar a vergonhosa 75a. posição em 2015. Essa é  uma trajetória preocupante para o porte, também decrescente, da economia brasileira.

Não há pacotes de bondades que deem jeito nessa situação. Desonerações pontuais apenas mascaram a realidade e, pela falta de lisura, criam privilégios, deixando estados e municípios estrangulados em suas finanças, já que o arrecadador-mor, o governo federal, repassa cada vez menos às unidades federativas, que ficam com os encargos dos serviços à população.

A falta de visão e de planejamento de longo prazo tornam o país refém de iniciativas conjunturais, quando precisa, na verdade, de reformas estruturais. É como quem tenta evitar o naufrágio retirando água do barco com uma canequinha. Só que a água entra em maior volume do que se consegue retirar da embarcação.

O resultado é previsível, e não é bom, todos sabemos.

Qualquer reação depende de coragem do executivo e de apoio do legislativo, ambos até então mais ocupados em moldar fatos à narrativa conveniente, a fim de sair bem, a cada dois ou quatro anos, no midiático ciclo vicioso de eleições e reeleições.

Felizmente, o bom povo brasileiro ainda tem fé e esperança de que terá o país que assistimos nos discursos eleitoreiros e nas propagandas governamentais.

E tem de ser rápido, porque a água está tomando conta da embarcação e o País tem pressa de que nossa indústria seja um negócio do Brasil e não da China.

Júlio Miranda
Consultor de estratégias para gestão de negócios e diretor do Conselho de Presidentes
julio@conselhodepresidentes.net

 

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas