Na negociação a preparação é o início do sucesso!

preparacao

Muitos dizem que sorte é quando a oportunidade encontra a preparação.

Ouvimos, também, que quanto mais praticamos mais sorte temos.

Começar bem é necessário e fundamental, preparado então, melhor ainda. Afinal, não podemos abrir mão da sorte!

Mas ainda assim, muitos subestimam essa necessidade e seguem adiante sem o devido preparo. Assumem um risco enorme, que muitas vezes se traduz nos baixos resultados alcançados. Simplesmente porque o problema nessa fase de preparação é o esforço que ela demanda.

Talvez a melhor forma de entender a importância dessa fase seja fazer algumas analogias simples. Nossa própria vida, por exemplo, é uma preparação natural e constante, as diferentes fases da vida são na verdade uma preparação para a fase seguinte. Reflita um pouco!

Outro exemplo seria a preparação de um atleta olímpico para a prova dos 100 metros rasos. São menos de 10 segundos de prova e anos de preparação. E o mais interessante é que a preparação envolve um conjunto de variáveis enorme – acompanhamento psicológico, dieta controladíssima, noites de sono regulares, exercícios complementares, competições preparatórias, entre outras.

Pergunte a qualquer atleta de alta performance sobre a importância da preparação e você entenderá bem seu significado. Ou proponha a você mesmo um desafio físico, como por exemplo correr uma meia-maratona, e viva sua própria experiência de preparação.

Mas podemos ainda citar muitos outros exemplos. Músicos, artistas, atores, ensaiam exaustivamente para um show, uma exposição, uma gravação. Cirurgiões e pilotos, profissões onde o erro pode ser fatal, estudam, se preparam e se atualizam sistematicamente. E assim os exemplos se multiplicam, estão presentes em todas as atividades, em maior ou menor grau, mas estão lá.

E nas negociações não poderia ser diferente. Entender o contexto, definir o objeto, objetivos e metas, conhecer as partes, requer estudo, pesquisa. Enfim, preparação.

Levante os dados e as informações necessárias, analise tudo e adquira o conhecimento exigido. Além de seus objetivos e metas, conheça seus limites, simule por meio de cenários o impacto dos possíveis resultados. Calcule e pondere seus riscos, crie planos de contingência. Se prepare!

A maior descoberta que você terá é que a preparação não termina ao fim de uma negociação, ela é constante e para sempre.
As lições aprendidas e as experiências vividas serão úteis nas próximas negociações.
Se programe para se preparar cada vez mais e melhor.

Oto Morato
Diretor regional para América Latina dos Programas de Educação Executiva
da Cornell University
oma24@cornell.edu

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas

Fechar Menu