A sua empresa tem sexto sentido?      

 

Brasilía, 13 de setembro 2007. Júlio Miranda, gerente executivo de competitividade empresarial do IEL. Foto Miguel Angelo/CNIsexto sentido 1

Empresas são seres vivos. Nascem, crescem, evoluem, umas mais do que outras. São criadas para durar, mas nem todas têm vida longa. A longevidade depende de bons hábitos, vacinação contra as hostilidades do ambiente e, principalmente, da boa nutrição.

A mente, abrigo da inteligência da empresa, está a serviço de sua perpetuação. Mas existem níveis diferentes de inteligência entre os seres vivos. Se o nível é elevado, a empresa está sempre nutrida de energia, motivação e inspiração. A inteligência superior alimenta a alma da empresa com uma missão nobre e a prática de valores capazes de promover a retenção e engajamento de seus empregados.

Valoriza, também, a saúde do corpo organizacional. Assim, os recursos em geral, expertise, portfólio de produtos e serviços, clientes, métodos e processos estão sempre bem nutridos e vacinados contra surtos.

Os sentidos dão colorido à existência. A visão, por exemplo, impulsiona a empresa rumo ao futuro desejado. Quanto mais longe enxerga, mais longe a empresa tende a chegar. Se o pensamento é estratégico, a visão é de águia, o olhar é de cima, de onde se vê o todo para que o ataque seja certeiro.

Pela audição apurada, a empresa consegue entender seu ambiente para que possa se adequar a ele ou modifica-lo. Consegue entender o cliente para melhor atende-lo.

Pelo tato, pode sentir “na pele” a realidade, experimentando na prática o “chão de fábrica” onde as coisas acontecem de verdade. Ali se encontram sinais de como o corpo organizacional está funcionando, como está a sua saúde.

O olfato permite farejar oportunidades e prevenir contra as ameaças. Estas, para o bom farejador, muitas vezes trazem em si grandes oportunidades. Tudo é desafiador, o que dá um gosto especial ao ato de empreender.

Quanto melhor o paladar, cada conquista é degustada com grande prazer. Terá valido a pena a habilidade parar lidar com temperos às vezes amargos, às vezes ardidos, mas que bem administrados dão um sabor especial e até mesmo único.

Mas, empresa é substantivo feminino, portanto não lhe faltaria o sexto sentido: a intuição. É a intuição que estimula o caminhar em trilhas não convencionais em busca do incomum. Intuição é pré-requisito para a inovação, que é o segredo das organizações admiradas e dos líderes empresariais que são tema de inúmeros best sellers.

Visão de águia, olfato e audição apurados, tato no chão de fábrica e no mercado e paladar primoroso para saborear conquistas são básicos para o sucesso.

Já a intuição é vantagem competitiva. Se além de tudo isso, em sua feminilidade a empresa conseguir executar diversas tarefas simultaneamente, com certeza será capa de revista.


E a sua empresa
, usa a intuição para tomar decisões que podem aumentar a longevidade, com “qualidade de vida”?

Júlio Miranda
Diretor do Conselho de Presidentes e da Miranda Consult
julio@conselhodepresidentes.net

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas