Os primeiros 3 passos para se transformar digitalmente

Os primeiros 3 passos para se transformar digitalmente

Como dar a largada para esse processo de mudança da melhor maneira possível? Mudando a mentalidade em três direções, dizem especialistas

Em primeiro lugar, acredite para valer na transformação digital. Convença-se dela nas profundezas do seu ser. A consultoria A.T. Kearney estima que a internet das coisas gere um movimento adicional anual de US$ 14,4 trilhões em todos os setores de atividade já a partir de 2020. A economia inteira da União Europeia é de US$ 14 trilhões e a dos EUA, US$ 17 trilhões. Em 2018, 16% da população do mundo já é de nativos digitais – preste atenção aos seus filhos –, o que vai acelerar a adoção de IoT, segundo o IDC, e em 2020 estima-se que 50 bilhões de coisas estejam conectadas. Em outras palavras, se a transformação digital ainda não está aparecendo o suficiente na televisão e nos jornais, não se iluda. Quando uma inovação aparece na mídia, principalmente na TV, é porque já está acontecendo há muito tempo. Como aconteceu este ano com o bitcoin.

O segundo passo para se transformar digitalmente

O segundo passo é entender que não há mais oportunidade fácil, é verdade, mas que é você que precisa fazer a mudança. Os gestores e empreendedores brasileiros precisam libertar-se do sebastianismo herdado de Portugal, e parar de esperar quem os salve, como diz Marcelo Tas. Eles (vocês) é que têm de fazer a mudança. E a primeira mudança é sugerida por Silvio Meira: começar por transformar produtos em produtos intensivos em serviços e redefinir serviços como serviços intensivos em serviços. “A DaimlerBenz fez isso: adquiriu a MyTaxi, que é um Uber que conecta taxistas e passageiros, e depois a fundiu com a Hailo do Reino Unido, além de comprar a rival grega, Taxibeat”, conta. Bancos como o Itaú estão digitalizando as empresas no Brasil, porque 96% de suas transações são digitais hoje.

O terceiro passo para se transformar digitalmente

O terceiro passo: políticas governamentais poderiam ajudar, mas não conte com elas. Nunca. As autoridades brasileiras estão muito atrasadas. Um exemplo disso é que carros autônomos, sem motoristas, estão sendo “treinados” com dados desde 2009 em diversas cidades do mundo – até o início de 2017, já haviam registrado cerca de 6 milhões de quilômetros de aprendizado, acumulando dados. E, enquanto isso, o Brasil, nenhum tipo de teste ainda foi autorizado. Há a infeliz coincidência com a crise político-econômica e institucional que vivemos, é claro, mas há também muita desinformação dos governantes em relação ao que vem ocorrendo no mundo em termos de quarta revolução industrial. E há ainda, talvez, uma esperança – ingênua, na opinião dos especialistas – de que a era digital permite que economias em desenvolvimento deem saltos. “Isso nem sempre é bom: na história da mobilidade, passamos direto às estradas, pulando as ferrovias, e agora trens nos fazem falta no Brasil”, como explicou Teco Sodré. Por essa razão, as empresas não podem ficar à espera dos governos locais (na esfera federal, estadual ou municipal); a competição dos negócios já se globalizou.

http://www.revistahsm.com.br/cultura-e-proposito/o-primeiro-passo-para-se-transformar-digitalmente/

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas