People Analytics e seu Impacto na Gestão de Pessoas

06 ago 2018

People Analytics

People Analyticas é o conjunto de práticas de coleta, de armazenamento, de organização e de análise de dados sobre a atitude dos colabores, para compreender padrões, antecipar tendências, contribuir para a tomada de decisão e com a gestão estratégica aplicada à gestão de pessoas em uma organização.

A partir do momento em que assumimos que as pessoas são o principal ativo intangível e diferencial competitivo de uma organização e que são elas o principal diferencial competitivo, é imprescindível mensurar para compreender o que as torna felizes, engajadas e produtivas no trabalho. Por meio do aprimoramento da guarda e análise de dados é possível identificar padrões e tendências de comportamento, para responder a essas e outras questões mais.

O principal objetivo para que People Analytics seja importante em Gestão de Pessoas é seu suporte à tomada de decisões, por meio de previsões e/ou planejamentos de cenários futuros com base em técnicas e ferramentas de análise de dados. Cada vez mais as decisões sobre gestão de pessoas (atração, retenção, desenvolvimento e performance) serão tomadas de maneira mais assertiva, ágil e estratégica.

Essas informações, se corretamente analisadas, trazem outros ganhos aos processos e procedimentos de gestão de pessoas: criação de processos mais qualificados, aumento da produtividade, melhoria da satisfação dos clientes internos, diminuição de riscos e custos, predição de resultados e, por fim, possibilidade de redirecionamento ágil de ações.

Os desafios da implementação de uma cultura de People Analytics são imensos, vão desde a aquisição de sistemas, de tecnologias, de estrutura e de ferramentas para acompanhamento sistemático e estudos específicos do comportamento dos colaboradores ao alinhamento estratégico do negócio e do RH, passando pela formação adequada de profissionais e pela capacidade analisar os dados e colocar em prática ações com base nas informações encontradas.

Por fim, é preciso ter cuidado com os critérios e parâmetros utilizados. Se pessoas são imperfeitas e, se são pessoas desenvolvem práticas, padrões e sistemas, eles também serão falhos. Para diminuir a margem de erros é preciso diversidade de pessoas, pontos de vista diferentes, flexibilidade de mindsets, cultura que permita erros: errar, aprender rápido e repetir continuamente esse processo.

 

Por Juliana Barbosa e Oliveira

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *