Somos todos taxistas? Como a uberização pode interferir  no seu negócio

William1imagesAZ2Q4WHY

O neologismo da moda é o termo UBERIZAÇÃO, mas o conceito que mereceu um verbete em nosso idioma já está por aí há quase trinta anos e o impacto dele pode acabar. ou potencializar o seu negócio.

Em 1985 a Dell se aventurou a atuar comercialmente sem um canal de comercialização. Ela pretendia, como de fato conseguiu, estar próxima de seus clientes. Muito próxima. Sem intermediários. EM 1995 foi a vez da Amazon. Depois em 2001 veio o iTunes. E em 2007 a Amazon fez acontecer de novo com o Kindle. Todos com a mesma filosofia. Venda direta. Acesso direto pelos consumidores ao fornecedor. Sem atravessadores.

Entretanto, não havia ainda uma forma de acesso pelos consumidores em todos os lugares, a qualquer tempo e literalmente ao alcance dos dedos. Agora existe. Existem smartphones!

Com isto o conceito tomou uma dimensão inigualável. E em vários mercados. O Uber tem provocado discussões em todo o mundo, mas não pelo modelo de negócio que ele propõe, mas sim pela quebra de paradigma, pelo modelo disruptivo que ela criou. Não tem legislação que o regule, tem apenas um ranking de motoristas e clientes elaborado pelos próprios usuários e prestadores de serviço. Com tarifas competitivas e qualidade incomparável. O Uber vem rompendo barreiras e criando uma nova forma de se fazer negócio. O cliente contrata diretamente um serviço de transporte urbano individual. Simples, prático e confiável. E o modelo utilizado pelo Uber também está presente em vários outros mercados. Decolar e Booking vendem passagens e hospedagem e a Airbnb tem foco em contratar  hospedagens.
E o que aconteceu com as agências de viagem? Inúmeros apps para chamadas de táxis. Como ficarão as cooperativas de táxis? OLX, Mercado Livre, Alibaba e tantos outros para compras on-line, com segurança e outras conveniências. O que vai ser das lojas físicas? Netflix como opção para canais de TV.
E as empresas de TV por assinatura? Whatsapp para comunicação. Como será o futuro das operadoras? E até mesmo o Tinder para relacionamentos com um enfoque predominantemente sexual e que ameaça a dita profissão mais antiga do mundo.

O Uber nos presenteia, não com uma solução tecnológica, mas com uma reflexão sobre as mudanças comportamentais e sociais ocorridas com o advento da plataforma móvel. Nos conduz para uma análise profunda sobre a interferência dos smartphones nas atividades clássicas, nos reflexos das condutas profissionais e éticas, nas margens de lucro e nas atividades acessórias envolvidas nos meios de produção e comercialização de produtos e serviços.

Pense apps!

William Tadeu da Silveira
Entusiasta de apps
CEO da Mobilus Tecnologia
www.mobilus.com.br

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este post tem 5 comentários

  1. Avatar
    Anuar Mattar

    Parabéns Wiliam, seu artigo traduziu o que percebemos no dia a dia e amplia ainda mais nossa visão.

  2. Avatar
    Marcelo

    Olá Wiliam Parabéns pelo seu artigo. Que promove no nosso subconsciente um que de paradoxo a respeito do cotidiano e das agora cotidianas “app facilidades”.

  3. Avatar
    Erik Willian

    Ótimo posicionamento sobre o impacto da tecnologia atual sobre os modelos de negócio defasados.

    A Uberização do mercado é inevitável!

  4. Avatar
    leo

    Infelizmente discordo do seu texto. Sei que estamos num caminho sem volta, mas tudo tem q ter regras, nada adianta ter acesso fácil a serviços se não tivermos clientes suficientes para usufruir dos mesmos.
    No caso da uber especificamente, existe sim uma legislação, porém é inevitável sua regulamentação!
    Mas afirmar que é um serviço superior ao táxi é demonstrar falta de conhecimento do assunto, vide site reclame aqui onde a uber tem nota inferior aos APP pra táxi como 99 táxis e Easy Taxi, e uma quantidade de reclamações muito maior se levarmos em conta a quantidade de carros cadastrados!
    A uber oferece um serviço de qualidade no modelo black,porém no modelo X tem carros como pálio 2008!!! Os táxis no RJ por exemplo só podem ter no máximo 5 anos de uso.
    Realmente a uber usa um marketing que convence a todos q o serviço de táxi não é confiável e o da uber super seguro, mas na prática não é isso q acontece .
    Sou a favor da regulamentação da uber como essa semana propôs o DF.
    A uber permite motorista com carro em nome de terceiros, criando o aluguel do carro pra pessoas q não tem acesso a financiamentos, uma verdadeira precarização da mão de obra, pois pagar diária ao dono do carro e ainda 20% pra uber não é sustentável.
    Ter diversos carros de modelos diferentes com 8 anos de uso rodando sem nenhuma identificação também não é seguro! Passar a responsabilidade de fiscalizar ao passageiro é no mínimo irresponsabilidade. Afinal qual passageiro antes de entrar no carro verifica se os pneus estão em condições?
    Enfim, é muito fácil quebrar o paradigma através de um marketing bem feito, difícil é manter esse novo mercado funcionando satisfatoriamente pra usuários e prestadores.

    1. Avatar
      William

      Não se lamente! Discordar é um dos pontos positivos destes novos tempos de relações comerciais. Obrigado por expor o seu ponto de vista e nos permitir debater o assunto.

      Eu penso que a regulamentação neste novo modelo de economia acontece naturalmente pela interação entre cliente e prestador de serviço, incluindo aqui a qualidade do serviço, a qualidade do veículo, o seu estado de manutenção e a sua limpeza interna e externa. Sem a necessidade de intervenção de governos ou orgãos reguladores. Se o serviço não for suficientemente bom, ele simplemente não se sustentará no médio prazo.

      Quanto à existência ou não de demanda para os serviços, recorro à regra tradicional do mercado (oferta X procura) e que funciona naturalmente desde os primórdios das relações comerciais. Funciona tanto para produtos como para serviços. Se não houver demanda suficiente, o mercado se ajustará automaticamente e buscará por novas alternativas.

      As reclamações, via internet ou outros mecanismos, são livres e devem acontecer normalmente tanto para os táxis como para os motoristas do Uber como para outros produtos e serviços. É parte do nosso momento histórico. Ainda bem!

      Meu pai trabalhou por mais de 30 anos como taxista e já tive minha experiência, que por imposição do meu pai foi breve, como motorista de táxi também. Na profissão que abracei já tive a oportunidade de utilizar táxis, uber e serviços de motoristas “conveniados” com as empresas onde atuei. Assim como em todas as profissões, temos bons e maus profissionais que respectivamente prestam bons e maus serviços. Considero que conheço bem deste mercado tanto como prestador de serviço quanto como usuário. Por trabalhar fora o dia todo, resolvi também montar um restaurante self-service anos atrás. Foi também uma experiência muita rica e considero que também conheço bem do mercado tanto como fornecedor quanto como usuário. Também existem bons e maus serviços no ramo de alimentação fora do lar.

      Conheço ainda, muito bem, a realidade de concessionários de placas de táxi assim como os de donos de carros que exploram motoristas. A exploração de motoristas em ambos os casos é inadimissível! Vivi isto em minha família durante minha infância e este é um ponto sobre o qual não abro mão. Sou contra! É inapropriado e incorreto! Perdoe-me pela minha intolerância sobre este ponto, mas minha experiência de vida me leva a este posicionamento.

      Marketing não se sustenta. Concordo com você. Em nenhuma esfera. Qualidade de serviço/produto é o diferencial. Que tenhamos todos mais conforto e qualidade em um trânsito tão caótico como o nosso. Seja com taxistas, com Uber, transportes “conveniados” ou preferencialmente com transporte público de masssa com qualidade.

      Obrigado por ler meu artigo e me permitir este momento extremamente gratificante de debater este ponto de vista com você.

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas