Vale a pena planejar frente a incerteza da crise atual?

 

Christian Orglmeister_highcloseincerteza 1

 

O ambiente de negócios está mudando rapidamente, às vezes num ritmo até difícil de acompanhar e se adaptar. Somado ao fenômeno da globalização e dos avanços disruptivos na tecnologia, as empresas brasileiras enfrentam ainda a desaceleração econômica recente.
Frente a tamanhas incertezas, o líder de negócios deve se perguntar: vale a pena planejar quando nem sei para onde irá o país e o mercado nos próximos anos?

Nós do BCG acreditamos que sim. É justamente frente a crises e incertezas que planejar se torna ainda mais importante! Afinal, a crise irá passar; o crítico é identificar como fazer para navegá-la com segurança e ainda aproveitar e colher algumas de suas oportunidades.
Mas para isto, é preciso planejar de uma maneira inovadora e estabelecer estratégias adequadas para alcançar o sucesso e superar os obstáculos políticos e econômicos que o país enfrenta atualmente. De outra forma, sua Estratégia precisa de uma Estratégia.

Isto é o que abordamos em nosso mais recente livro “Your Strategy Needs a Strategy” (no português, “Sua Estratégia Precisa de Uma Estratégia”). Nele, apresentamos uma forma de escolher e colocar em prática a melhor abordagem para traçar planos eficazes em quaisquer circunstâncias – mesmo quando o ambiente é difícil ou incerto. São cinco possíveis abordagens para a sua Estratégia:

Clássica – seja grande: É a típica abordagem de Estratégia que as empresas já estão acostumadas a fazer. Envolve o ciclo “clássico” analisar, planejar e executar, e funciona para as empresas que podem prever o seu ambiente mercadológico com certa tranquilidade, mas que não conseguem ou não podem mudá-lo;

Adaptativa – seja rápido: A abordagem da Estratégia adaptativa funciona com empresas que não conseguem prever o seu ambiente e o seu mercado, e também não podem mudá-lo. Um exemplo clássico são empresas de mídia ou telecomunicações que enfrentam condições de rápidas mudanças e imprevisibilidade. Nestes casos, a adaptação aos novos cenários e a experimentação contínua se tornam as chaves para o sucesso;

Visionária – seja o primeiro: Essa abordagem funciona para empresas que conseguem antever ‘espaços vazios’ e assim mudar sua indústria. Aqui, realizar Planos Estratégicos para ser o primeiro a lançar produtos /serviços inovadores é obrigação para o sucesso.

Um exemplo claro dessa abordagem é a revolução dos aparelhos celulares que a Apple trouxe com o lançamento do iPhone, em 2007.

Formação – seja o orquestrador: As empresas que não podem prever o seu ambiente, mas conseguem mudá-lo por meio de ações colaborativas, devem se beneficiar da estratégia de formação. São empresas que claramente possuem a chance de se tornarem “orquestradoras” do mercado – regendo um grupo de empresas e stakeholders que vivem em um ambiente imprevisível. (Utilizando o exemplo anterior, a Apple usou a Estratégia de formação para desenvolver um ecossistema de colaboração com desenvolvedores de aplicativos, empresas de telecom e de mídia. Esses esforços culminaram em plataformas de grande sucesso da empresa, como a Apple Store e o iTunes);

Renovação – seja viável: A abordagem mais coerente para empresas que estão perdendo o jogo e precisam se adequar para sobreviver em um ambiente hostil. Um exemplo clássico são as empresas norte-americanas do setor bancário que, de certa forma, conseguiram escapar da crise em 2008 utilizando a Estratégia de renovação – corte de custos, preservação de capital e liberação de recursos para financiar as próximas etapas da “renovação”.

Escolher a Estratégia mais adequada a sua situação é essencial para delimitar planos assertivos aos objetivos de negócio da empresa. Mais além, é o ponto crucial (e o divisor de águas) entre a sua extinção ou a sua sobrevivência.

Em meio a instabilidade política e econômica do Brasil, como você se comportaria para superar os desafios e obstáculos da sua empresa? Qual abordagem de Estratégia você seguiria para se planejar nos próximos 3, 5, 10 anos?

Faça uma reflexão e verá que, no final das contas, “vale a pena, sim, planejar frente a crise atual”.

Christian Orglmeister

Sócio, Líder da Prática de Family Business do The Boston Consulting Group no Brasil
www.bcg.com

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Gestor

Paulo de Vasconcellos Filho, 67 anos, atua como Consultor há 43 anos orientando processos de Planejamento Estratégico em 378 empresas de pequeno, médio e grande porte, que atuam nos mais diversos setores. Publicou seis livros sobre Planejamento Estratégico, sendo o primeiro em 1979 e o mais recente publicado pela Editora Campus, com o título “Construindo Estratégias para Vencer!”

Receba nossas novidades

Estratégias que merecem destaque

Registre-se aqui para receber em seu e-mail nossas novidades.

Patrocinadores

Temas